Força bruta x inteligência: em qual desses dois times você está jogando?

Outro dia, uma aluna do GEC (meu curso online de Gestão de Equipes Comerciais) perguntou-me sobre como medir e ter certeza que um vendedor/uma vendedora está realmente agregando valor no processo comercial e quando é um custo.

Pergunta interessante e profunda essa, de alguém realmente pensando de forma mais estratégica no seu papel como líder comercial. Não apenas como gestor/gestora de equipe, mas sim como líder de verdade mesmo, olhando mais à frente e mais profundo.

Quando postei o tema para debate no nosso grupo de GECAPs do Facebook, iniciando um debate sobre como organizar da melhor forma nossos pensamentos em relação a este assunto, Vanderlei Souza comentou que na empresa dele três indicadores são controlados especificamente para medir como os vendedores agregam valor no processo comercial. São eles:

  • Ticket médio
  • Lucratividade
  • Número de novos clientes

Um debate que surgiu então foi que, para mim, só controlar esses indicadores não significa necessariamente que um vendedor/uma vendedora esteja realmente agregando valor.

Para sabermos de verdade, precisamos ter um padrão comparativo, uma referência.

Por exemplo:

  1. Ticket médio com e sem vendedor.
  2. Lucratividade média com e sem vendedor.
  3. Abertura de novos clientes com e sem vendedor.

Agregar valor precisa de um comparativo A/B (com e sem, por exemplo).

Eu posso ter um Vendedor A com um ticket médio de X e uma Vendedora B média de 2X e a vendedora B claramente agrega mais valor do que o Vendedor A.

O que naturalmente leva ao aprofundamento da conversa em três níveis:

  • Operacional: o que a Vendedora B faz de diferente em relação a A? (Se o gestor/a gestora não sabe, como vai medir e melhorar?).

  • Tático: o que o gestor/a gestora e a empresa podem fazer para ter um ticket médio maior em toda a equipe?

  • Estratégico (é aqui que realmente ‘pega’): por que A está fazendo algumas tarefas se B é bem melhor do que ele? Por que não especializar a equipe? Por que não separar tarefas?

  • Superestratégico: isso realmente deveria estar sendo feito pela equipe de vendas? (Ou seja, não existiria algo diferente que pudesse ser feito que trouxesse retornos melhores, com custos menores, do que o 2X da Vendedora B? Quem é que disse que esses 2X da Vendedora B são realmente nossa melhor referência?). Se vamos trabalhar um método mais científico, precisamos criar uma hipótese a ser testada.

No caso, estaríamos dizendo algo assim: “Acredito que incluir vendedores no processo comercial agrega valor”.

Os indicadores para medir isso seriam: ticket médio, lucratividade, clientes novos (usando o exemplo que surgiu no grupo de GECAPs).

Agora temos que testar essa hipótese: será que ela é realmente verdadeira?

Uma forma de testar isso seria eliminando, substituindo ou trocando pessoas/processos para depois comparar os resultados. De maneira bem mais objetiva do que a subjetividade de discutir isso numa reunião e todo mundo dar sua opinião sobre o que ‘acha’.

Fundamental todo mundo falar o que acha… mas bom mesmo é testar e ver na prática o que realmente acontece.

Esse seria o debate aqui… quais seriam os testes que validariam ou invalidariam a hipótese de que vendedores agregam valor no processo comercial? Em quais situações?

E em quais situações não agregam? Ou não se justificam? Ou que tem um retorno de investimento ou uma relação de benefício/custo negativa?

Se eu desenhar uma jornada de compra do cliente, onde o vendedor/a vendedora realmente faz diferença e onde não?

Se eu desenhar a rotina de um vendedor/uma vendedor e pedir que me liste todas as atividades sob a sua responsabilidade, quais dessas tarefas e processos realmente trazem resultados (e deveriam ser estimulados) e quais não agregam (e deveriam ser reduzidos/eliminados)?

Se você quer resultados melhores, não adianta só ir na força bruta e pedir para a equipe de vendas fazer mais do mesmo.

Precisamos direcionar de maneira inteligente essa força bruta. Esse é o papel do líder/da líder!

Note que não estou defendendo um caminho ou outro. Estou defendendo ter um processo de análise e decisão racional, objetivo e inteligente, que possa ser aplicado não só agora, mas no futuro, quando surgir novamente a necessidade de repensar processos.

Cada um depois pode chegar às suas próprias conclusões, dentro da sua realidade e estrutura atuais. Mas pensar de maneira inteligente vai aumentar sua segurança e chance de acerto.

Ao deixar o processo de comparação mais organizado e analítico, temos mais condições não apenas de decidir como direcionar a equipe comercial da maneira mais eficiente, mas também o processo comercial como um todo.

Exemplo típico é o da Receita Previsível, com a criação de um núcleo só de prospecção.

Quando testado, é muito comum descobrir que pedir para a equipe de vendas tradicional padrão abrir novos clientes é improdutivo e ineficiente.

Solução proposta pelo Aaron Ross: separar tarefas e equipes e criar núcleos só de prospecção.

Pensar dessa forma mais organizada/sistemática tem implicações profundas para a liderança e gestão comercial.

Podemos ir pelo caminho de trabalhar da maneira tradicional, exigindo que equipe de vendas tradicional padrão prospecte e depois, como gestores, trabalhamos para melhorar isso (via treinamento, comunicação, indicadores, etc.).

Ou podemos repensar o processo todo e falar: “Quem vai prospectar é uma outra equipe, porque aqui neste passo ou processo específico a equipe de vendas não está agregando o valor necessário ou esperado”.

Note a diferença aqui:

– No modelo tradicional eu uso os números (indicadores e relatórios) para acompanhar e melhorar a equipe de vendas nas suas rotinas e processos.

– No modelo mais estratégico eu faço exatamente a mesma coisa, mas dou um passo além e vou PARA CIMA. Olho e questiono o processo todo: “Isto realmente precisa ser feito? Por esta pessoa? Deste jeito?”.

Como disse Peter Drucker, nada é mais ineficiente do que tentar melhorar algo que no fundo nem deveria estar sendo feito.

O que vejo é que no modelo tradicional, o líder/a líder pensa mais operacionalmente, como está sendo feito e tenta melhorar isso. Mas não questiona muito o processo como um todo. Caímos numa armadilha de tentar melhorar um processo ruim. Pode até melhorar, mas sempre longe do ideal.

No modelo mais evoluído, o líder/a líder pensa mais estrategicamente, em 5W2H: o que está sendo feito, por quê (reason why), quem está fazendo, quanto custa, etc.

No modelo tradicional o repensar a força de vendas, com indicadores, tecnologia, automatização e a melhoria constante de processos e números são INIMIGOS.

No modelo estratégico são ALIADOS.

Voltando ao ponto inicial: se indicadores de performance ‘hard’ (ticket médio, lucratividade, novos clientes) são usados para definir valor agregado por equipe de vendas, isso precisa ser naturalmente comparado com alguma coisa.

O que nos leva, na minha opinião, a um avanço importante nesta conversa:

  1. Definir quais indicadores de performance poderiam ser usados para controlar/medir como equipe de vendas agrega valor no processo comercial.

  2. Um padrão/referencial de comparação (para entender melhor como, quando e quanto esse valor realmente agrega).

Com isso poderíamos trabalhar para melhorar duas coisas fundamentais neste processo:

– O que está sendo feito: a eficácia e eficiência do processo como um todo (o que esperamos que seja feito pela equipe).

– Como está sendo feito: a eficácia e eficiência da equipe de vendas ao realizar tarefas/processos (como se espera que a equipe faça).

E você, na sua empresa:

  1. Que indicadores tem usado como referência para medir se a equipe realmente está agregando valor no processo comercial?

  2. Existe um olhar sobre o processo como um todo (precisamos de vendedores fazendo isso e se sim, por quê?) ou só um olhar sobre como melhorar esses indicadores (ticket, lucratividade, clientes novos) junto à equipe? Em algum momento se cogitou separar tarefas para equipes diferentes ou automatizar alguns processos hoje feitos manualmente pela equipe comercial?

Se esse é o tipo de conversa que você quer ter para organizar melhor suas atividades e planejamento comercial em 2022, podemos ajudar você de cinco formas na VendaMais:

  1. Diagnóstico VM: um raio-X completo do seu modelo comercial, incluindo pessoas, processos e indicadores, com o relatório mais completo que existe sobre o assunto no Brasil.

  2. Consultoria para revisar todo seu modelo comercial e com acompanhamento da equipe VM na implantação e desenvolvimento.

  3. Treinamentos para seus líderes, gestores e equipe comercial (presencial, online, híbrido, conforme for melhor para você).

  4. Assinatura Premium VendaMais, que contempla revista, treinamentos prontos para você aplicar em sua equipe, mentorias comigo e com outros especialistas em vendas e áreas correlatas, materiais complementares e acesso a uma Comunidade que reúne gestores comerciais realmente preocupados em melhorar sua gestão e seus resultados em vendas.

Caso você queira evoluir em relação a qualquer um destes quatro pontos acima, fale diretamente comigo pelo [email protected].

  1. GEC, meu curso de Gestão de Equipes Comerciais (aulas começam Fevereiro/2022 mas você já pode participar do processo seletivo e deixar isso pronto e organizado: www.queroparticipardogec.com).

Força bruta x inteligência, em qual desses dois times você está jogando? Está só fazendo mais força ou está sendo realmente mais inteligente?

Na VM nós jogamos bem nas duas pontas e queremos ajudar você a jogar melhor também.

O líder/a líder que sabe direcionar de maneira inteligente a força da equipe de vendas é imbatível, pois transforma força bruta em ENERGIA e canaliza essa energia para melhores resultados.

Abraço, boa semana e boa$ venda$,

Raul Candeloro
Diretor

Conteúdos Relacionados

Não seja um vendedor commodity!

Durante as Olimpíadas eu viro especialista em esportes que não entendo absolutamente nada.

Outro dia, por exemplo, eu estava assistindo saltos ornamentais com a Marília (minha esposa), o Dani e o Rafa (meus filhos) e estávamos todos dando palpites e notas em cada salto.

‘Esse é um 9!’

Continuar lendo
Rolar para cima